Cristãos Que Se Beijam

Cristãos Que Se Beijam - Velloso, Joao Paulo dos Reis | Nisrs.org Temos o prazer de apresentar o livro . em PDF, TXT, FB2 ou qualquer outro formato possível em nisrs.org.

EM FORMAÇÃO

AUTOR
Velloso, Joao Paulo dos Reis
DIMENSÃO
7,54 MB
NOME DO ARQUIVO
Cristãos Que Se Beijam.pdf
ISBN
1763860118853

DESCRIÇÃO

Cristãos que se beijam e o Crepúsculo dos Deuses mostra como o Cristianismo se expandiu depois da chegada do Cristo (Messias). E que o beijo era uma das características mais comuns na Cristandade nascente. Analisa como a interação dessa doutrina, de raízes judaicas, com a cultura grega, a romana, os povos bárbaros e o Islã clássico levou à formação da Civilização Ocidental. Desde quando a “Obscura Notícia” foi difundida, anunciando o Messias, o Império foi abalado. Assim, o Cristianismo se universalizou e conquistou a liberdade de culto, através de Constantino, o Grande. Ao mesmo tempo, afirmava-se a tendência ao Crepúsculo dos Deuses (gregos e romanos), que, na dimensão da cultura, induzia os líderes não cristãos a dizer que a nova religião havia levado os deuses a se desinteressarem pelo destino da Sociedade. No entanto, a vantagem de uma crença cujo Reino não era deste mundo foi não ter como objetivo a garantia de um Estado ou Cultura, como tinham feito as religiões do paganismo. E estar, na verdade, na posição de reconciliar um com o outro. Para isso, os apóstolos, em especial Paulo, criaram igrejas e fizeram milagres. Nesse contexto, há uma discussão sobre o início da tradição: os primeiros cristãos, homens e mulheres, tinham o hábito de se beijar na boca durante o culto. O beijo era uma forma de expressar o amor entre os cristãos, e de comunhão no Espírito Santo, que ligava uma pessoa à outra e, em última análise, produzia um corpo social unificado. A essência do livro, portanto, está na simultaneidade de um “Mundo que nasce” (o Cristianismo, universalizando-se) e um “Mundo que morre” (o Império Romano, que tendia, na altura de 380 d.C., a declinar).

Analisa como a interação dessa doutrina, de raízes judaicas, com a cultura grega, a romana, os povos bárbaros e o Islã clássico levou à formação da Civilização Ocidental. O beijo era uma forma de expressar o amor entre os cristãos, e de comunhão no Espírito Santo, que ligava uma pessoa à outra e, em última análise, produzia um corpo social unificado. A essência do livro, portanto, está na simultaneidade de um "Mundo que nasce" (o Cristianismo, universalizando-se) e um "Mundo que morre" (o Império Romano, que tendia, na altura de 380 d.C., a ... "Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo" (Rm 16:16).Com David Riker. Cristaos que se beijam e o Crepusculo dos Deuses mostra como o Cristianismo se expandiu depois da chegada do Cristo (Messias).

Cristãos que Se Beijam Cristãos que se beijam e o Crepúsculo dos Deuses mostra como o Cristianismo se expandiu depois da chegada do Cristo (Messias). E que o beijo era uma d O ósculo santo (em latim: osculum pacis), chamado também de beijo santo ou beijo da paz, foi uma forma de saudação usada por Jesus Cristo e seus discípulos, pela ação de beijar a face mutuamente, não somente em regiões onde esse era um costume habitual, mas também entre os cristãos de Roma.

LIVROS RELACIONADOS